A adaptação da Auditoria Independente às tendências tecnológicas

A adaptação da Auditoria Independente às tendências tecnológicas

4 minutos de leitura

As pessoas normalmente têm diversas opiniões sobre o papel da auditoria. Algumas pensam que a auditoria tem o caráter exclusivo de detectar fraude, outras para dar credibilidade aos mercados de capitais. Tem aquelas que acreditam que a auditoria é uma obrigação exigida pelos órgãos reguladores e até mesmo aquelas que julgam que auditória é exclusiva para grandes empresas ou empresas listadas na bolsa de valores.

Enfim, as opiniões são diversas. Algumas assertivas, mas com certeza uma merece atenção, ou seja, o campo de atuação da auditoria é bastante vasto e deve ser explorado, a fim atender os anseios da sociedade como um todo.

A responsabilidade da auditoria para o fortalecimento do mercado de capitais

Confiança, sem dúvida, sempre foi (e continua sendo) a base para o desenvolvimento e o fortalecimento do mercado de capitais ao redor do mundo.

O compromisso com a confiança envolve desde os administradores de grandes companhias até pequenos investidores que compram os papéis dessas mesmas companhias, passando por instituições financeiras que concedem créditos para tais entidades, órgãos reguladores etc.

Nessa cadeia de processo, o auditor – como os demais participantes – possui uma grande responsabilidade e, dessa forma, o mesmo segue às transformações exigidas pelos mercados de capitais, como poderemos ver adiante.

A evolução da auditoria frente às novas demandas tecnológicas

É fato que com a primeira Revolução Industrial (século XVIII), a contabilidade foi impulsionada, pois o que era produzido artesanalmente, passou a ser produzido em série, dado o surgimento das máquinas e de parques fabris.

Consequentemente, a contabilidade precisou controlar as depreciações das máquinas; ter um sistema de apuração e controle de estoque; houve maior necessidade de separar os administradores dos investidores; gerar relatórios para os sócios, administradores, acionistas, governo etc. e, então, o auditor teve que acompanhar esse impulso.

Atualmente, com as transformações pelas quais estamos passando na 4ª Revolução Industrial, momento em que há a união das inovações tecnológicas com a velocidade em que vivemos hoje, o mercado anseia informações confiáveis cada vez mais aceleradamente e, para isso, o auditor deve (um grande desafio!) se conectar às mudanças tecnológicas, ou seja:

  • utilizar o conceito de “analytics”, a fim de permitir uma amostragem mais qualificada de seu trabalho;
  • usar bancos de dados do cliente para fazer previsões, apontar tendências e comparar o resultado de seus trabalhos com o apresentado pelo cliente;
  • aproveitar novas tecnologias, como drones, para fazer inventários ou inspeção de ativo imobilizado em áreas grandes e de difícil acesso;
  • utilizar RPA (Robotic Process Automation), que tem o objetivo de substituir tarefas repetitivas, operacionais e de baixa importância, deixando as pessoas livres para atuar em atividades que exigem o uso de julgamentos e da razão, que contribuem para a inovação de qualquer empresa.

O Grupo BLB Brasil, como vanguardista, já há alguns anos conta com um software de auditoria capaz de analisar dados complexos, grandes volumes de transações e riscos operacionais dos projetos, cujas informações são criptografadas e seguras.

Mas o uso da tecnologia deve estar alinhado com a capacitação e habilidades humanas, ou seja, o processo de auditoria, que já envolvia equipes multidisciplinares, ou seja, formadas por contadores, advogados, administradores e economistas, agora possui experts em tecnologia de informação, engenharia, matemática etc., além das habilidades de comunicação interpessoal e um segundo idioma, que já eram requeridas.

As firmas de auditoria de pequeno e médio porte possuem diferentes focos de expertise, possibilitando às empresas que pesquisem e identifiquem o escritório que melhor possa atender às suas necessidades específicas.

Leia também -  Capital humano: é preciso investir

Como a auditoria pode ajudar as organizações?

As principais razões para contratar uma auditoria das demonstrações financeiras são:

  • Garantir a confiabilidade e a credibilidade das informações financeiras;
  • Facilitar o acesso às instituições financeiras;
  • Permitir o real conhecimento da situação econômica e financeira;
  • Contribuir para o crescimento da empresa dentro de um ambiente extremamente competitivo;
  • Ajudar os gestores nas tomadas de decisões ou nas mudanças gerenciais, contribuindo com o desenvolvimento da governança corporativa;
  • Facilitar a tomada de empréstimos bancários a juros mais baixos;
  • Certificar se os registros financeiros estão em conformidade com as Normas Internacionais de Contabilidade – IFRS ou com as Normas Brasileiras de Contabilidade – CPC;
  • Melhorar os controles internos, essenciais para a vida financeira das empresas;
  • Ajudar o empresário a entender e identificar quais são os principais fatores de risco do negócio do ponto de vista operacional e de controles internos.

A auditoria agrega diversos benefícios às empresas com qualidade, independência, transparência e, sobretudo, em conformidade com as normas profissionais.

Um trabalho de auditoria independente bem executado vai além da confiabilidade que é exigida pelos mercados de capitais. A auditoria também entrega ao cliente uma avaliação profunda dos negócios, incluindo observações e recomendações que visam aprimorar controles e adequar a gestão para que esta seja mais forte e eficiente.

Remerson Galindo de Souza e Rodrigo Garcia
Divisão de Auditoria Independente do Grupo BLB Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *