Balanced Scorecard: o que não é medido não é gerenciado

Balanced Scorecard: o que não é medido não é gerenciado

6 minutos de leitura

Com o desenvolvimento dos processos de produção, a partir da Revolução Industrial nos séculos XVIII e XIX, os modelos de administração também apontaram sinais de mudança. Nesse período, mas não no modo como é utilizado atualmente, o Planejamento Estratégico já começava a aparecer como ferramenta de gestão. Muitas mudanças ocorreram desde então, até que na década de 1990, surgiu o Balanced Scorecard – BSC.

O Balanced Scorecard – BSC, traduzido para o português como Indicadores Balanceados de Desempenho ou simplesmente como BSC, é uma ferramenta que tem como função avaliar o desempenho empresarial. O método utiliza de indicadores verificáveis e quantificáveis para a avaliação.

Muito usado hoje em empresas de todo o mundo, o BSC, em complemento com o Planejamento Estratégico, traz resultados positivos às organizações. Por conta disso, ele se torna um importante instrumento de gestão nas empresas.

Neste artigo você vai entender o conceito do Balanced Scorecard e a relevância dessa ferramenta para melhorar o desempenho do seu negócio.

A importância do Planejamento Estratégico

O ponto de partida para entender a importância do método BSC é entender a relevância do Planejamento Estratégico nas organizações. O crescimento de um empreendimento, independentemente do seu tamanho ou segmento, depende muito de ações programadas de forma estratégica.

O Planejamento Estratégico é um projeto que engloba os objetivos da empresa como um todo. A partir desse plano, são elaboradas quais ações devem ser realizadas para atingir tal objetivo.

Por meio do BSC também é possível identificar as melhores oportunidades, dificuldades, desafios e ameaças, assim como ele permite que sejam traçadas as melhores formas de superá-las.

Dessa forma, o Balanced Scorecard é um aliado no Planejamento Estratégico, pois otimiza todos os processos internos e externos de uma organização para que ela atinja seus objetivos.

Como o Balanced Scorecard foi criado?

O BSC foi difundido nos Estados Unidos por David Norton e Robert Kaplan, professores conceituados de Harvard. Adotando um conceito contrário ao uso convencional dos indicadores financeiros que já não estavam se mostrando tão eficazes, eles desenvolveram um método de aferição de resultados de forma mais ampla.

No início dos anos 1990, os estudiosos causaram alvoroço no meio corporativo e acadêmico ao publicarem o artigo Balanced Scorecard: medidas que impulsionam o desempenho. O texto abordava o novo procedimento de parâmetros para avaliação da performance das empresas e organizações, além de definir estratégias e planejamentos.

Depois da grande repercussão, o artigo foi remodelado e transformado no livro A Estratégia em Ação – Balanced Scorecard, que até hoje é considerado um dos mais vendidos sobre gestão e planejamento. O formato do Balanço foi considerado inovador nos processos medição do desempenho empresarial, se tornando uma das principais ferramentas de auxílio nas decisões e na gestão estratégica.

Qual o objetivo do Balanced Scorecard?

Por ser um método abrangente, com o sistema BSC é possível atingir todos os níveis organizacionais promovendo maior comprometimento por parte de todos com a estratégia adotada na organização.

A ferramenta tem como objetivo alinhar as atividades operacionais em conjunto com o Planejamento Estratégico. Mediante suas métricas e indicadores, são traçadas metas e ações que devem ser seguidas pelos colaboradores para que a empresa atinja seus objetivos em longo prazo.

O diferencial do Balanço é demonstrar ao gestor da empresa as ações estratégicas que devem ser realizadas por meio de um formato claro e sistêmico. O alinhamento das metas organizacionais promovido pela metodologia se torna fundamental para a elaboração de uma estratégica administrativa que foque no resultado.

Ações envolvidas no método BSC

Como o método BSC é aplicado visando ao resultado em longo prazo, algumas ações que envolvem o sistema organizacional precisam ser aplicadas. Dentre elas estão:

  • Clareza e engajamento no planejamento: as estratégias organizacionais precisam ser apresentadas de forma clara e objetiva para que haja entendimento por parte de todos os colaboradores. Por meio de um mapa estratégico os objetivos devem ser alinhados de acordo com cada departamento ou setor;
  • Planejamento de metas de acordo com as ações: as metas devem ser estabelecidas pelos gestores ou gerentes de cada setor e transmitidas aos seus colaboradores. Entre essas ações estão o planejamento do desempenho financeiro aliado às condições reais da empresa, ou seja, de acordo com sua capacidade de desenvolvimento;
  • Enfoque no feedback aos colaboradores: é muito importante dar o retorno dos resultados aos colaboradores. Dessa forma, o desempenho dos colaboradores pode ser melhorado, assim como os processos.

As 4 perspectivas do BSC

A metodologia BSC utiliza quatro indicadores em sua base estrutural que englobam perspectivas internas e externas. São elas: clientes, processos internos, aprendizado e crescimento, e financeira. Elas auxiliam a visualização do desempenho empresarial de forma bastante integrada. Depois de definidas, essas perspectivas estratégicas são mensuradas e seus resultados acompanhados constantemente.

  1. Perspectivas de clientes: esse indicador tem como objetivo entender as necessidades dos clientes e a visão do mercado. Ele permite definir com qual mercado e quais os segmentos que a empresa quer trabalhar. Dessa forma, as ações que envolvem os clientes são monitoradas por meio de indicadores de satisfação. Dentre os anseios da clientela que são monitorados estão: qualidade, custo, prazo, entre outros.
  2. Perspectivas de processos internos: são analisadas as questões envolvendo os produtos ou serviços oferecidos. Também são identificados problemas e dificuldades para a concretização das metas e objetivos estipulados. Depois do apontamento dessas questões, são criadas ações que gerem valor aos stakeholders de forma a atraí-los de acordo com seus segmentos.
  3. Perspectivas de aprendizado e crescimento: o indicador está relacionado às capacidades e motivações dos colaboradores. A análise é feita sobre o aprendizado em relação ao crescimento da organização. São realizados apontamentos relativos à estrutura organizacional e apresentados questionamentos de como pode ocorrer seu crescimento.
  4. Perspectivas financeiras: visa apresentar novas possibilidades para que o negócio se torne cada vez mais rentável aos proprietários e acionistas. Indicam também o que as operações econômicas e financeiras trazem de consequência à empresa. A proposta é que, assim como todos os outros processos, os objetivos financeiros devem estar plenamente alinhados às estratégias da companhia.

O Mapa Estratégico do BSC

O formato sistêmico do método BSC distribui as perspectivas em formato de quadro ou mapa. Ele deve conter de forma resumida a aplicação do projeto de acordo com cada indicador.

Sendo assim, o mapa é fracionado em quatro divisões, sendo cada uma condizente com sua perspectiva. Em cada divisão, são adicionadas as ações estratégicas que devem ser realizadas para que cada perspectiva tenha seu objetivo alcançado.

Além das divisões e perspectivas estipuladas pelo método BSC, as empresas podem desenvolver outros indicadores específicos ao seu negócio.

Achou o assunto interessante? Então vai gostar do artigo 5 ferramentas de Planejamento Estratégico: saiba como usar. Assine nossa newsletter e tenha acesso gratuito a conteúdos exclusivos. Para conhecer mais sobre o Grupo BLB Brasil e os serviços oferecidos a você e sua empresa acesse aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *