Empresas com dificuldades financeiras podem recorrer à Lei 11.101/05 para tentar sua recuperação

Empresas com dificuldades financeiras podem recorrer à Lei 11.101/05 para tentar sua recuperação

2 minutos de leitura

Empresas que passam por dificuldades financeiras podem utilizar-se da Recuperação Judicial conforme disposta na Lei 11.101/05 para evitar a falência do negócio. Essa é uma forma de manter ativas as empresas cujos compromissos e atividades correm riscos de não serem cumpridos.

Quando fazer uso da Lei 11.101/05

A Recuperação Judicial pode ser solicitada quando uma organização está endividada e com sérias dificuldades de caixa. Nesse período de alta instabilidade econômica, temos observado que o número de empresas solicitando a medida vem aumentado. É uma oportunidade que qualquer empresa nessa situação crítica pode requerer para reequilibrar os negócios, mantendo ritmo operacional e o emprego dos seus colaboradores.

Esse processo ainda apresenta vantagens, como a suspensão das obrigações e negociação de prazo para pagamento das dívidas. O pedido para ingressar com o processo de recuperação deve ser feito na Justiça por empresas e profissionais especializados que irão executar os trâmites jurídicos e a organização das informações e documentação necessária.  A partir da entrada (pedido aprovado), a empresa tem 180 dias (seis meses) para apresentar à Justiça um plano de viabilidade financeira detalhando as medidas a serem tomadas para sair da atual crise. Sendo o plano aprovado pelo juiz, a empresa entra em processo de recuperação judicial e deverá cumprir a estratégia sancionada para evitar a falência do negócio.

Nesse processo também recomendamos a contratação de uma empresa especializada para efetuar a reestruturação da gestão com profissionais experientes em gestão de crise. A BLB Brasil oferece a seus clientes a solução completa de assessoria em casos de Recuperação Judicial.

Carlos Tacinari
Sócio-diretor de Gestão e Finanças
BLB Brasil Auditores e Consultores

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *