Finanças e o futuro no mundo corporativo

Finanças e o futuro no mundo corporativo

8 minutos de leitura

Como quase toda ciência, a área de Finanças traz em seu escopo as mudanças do mundo contemporâneo que hoje está vivendo, provavelmente, a maior era de transformação da sua história.

Suas técnicas, seus métodos quantitativos e sua estrutura conceitual vêm sendo ampliados e interpretados de maneira diferente. O que tem aumentado sua relevância não só para as organizações, como para todo o mundo corporativo.

Profissionais de finanças

Realizar automação de processos corporativos e proteção contínua dos ativos enquanto gerencia os custos da operação gera uma grande pressão sobre os profissionais de finanças. Assim, o profissional da área passou a ser mais exigido, ocasionando a necessidade de especialização e atualização perene de seus conhecimentos.

Muitos CEOs e diretores já esperam que o profissional de finanças expanda seu papel para o de conselheiro estratégico no crescimento da organização, ao mesmo tempo em que protege a operação corporativa. Isso significa que esses profissionais serão avaliados não somente por como promovem e reagem às mudanças da área financeira. Mas também de acordo com o impacto que essas mudanças terão sobre o dia a dia das finanças operacionais, estratégia de negócios, análises financeiras e inovação.

A Administração Financeira enquanto ciência pode ser subdividida em três grandes segmentos. São eles: Mercado Financeiro, Finanças Pessoais e Finanças Corporativas.

O segmento de Mercado Financeiro debruça-se sobre os comportamentos dos mercados, seus diferentes títulos e valores mobiliários negociados, bem como as instituições que atuam nesse segmento. Finanças Pessoais, por sua vez, estuda os financiamentos e investimentos da pessoa física e suas relações com o Mercado Financeiro. E a área de Finanças Corporativas será o nosso foco neste artigo.

administração financeira

Finanças Corporativas

Dentro das perspectivas de futuro para a área de Finanças Corporativas, destacam-se alguns pilares fundamentais. Tanto como foco de atuação (funções essenciais) como sustentação para o desenvolvimento e adaptação às mudanças (funções de gestão). Adaptação essa baseada em um futuro no qual a organização estará cada vez mais preocupada com a conectividade, a interação entre unidades de negócios e as sinergias transacionais para obter valor de todos os departamentos da empresa.

Assim, as prioridades, tanto das organizações, como dos profissionais de finanças, para o presente e o futuro da área de Finanças Corporativas devem ser:

Finanças operacionais

Essa área é caracterizada pelos processos transacionais, que criam os dados fundamentais para a área financeira. Agregam valor por meio de processos eficientes, confiáveis e com baixo custo.

Como as empresas se apoiam cada vez mais na análise e em dados para tomar decisões estratégicas, o papel do profissional dessa área deverá abarcar princípios de gestão de desempenho e risco – mais do que ocorre hoje em dia.

Finanças especializadas

Processos que permeiam toda a organização e que exigem conhecimento técnico especializado. Agregam valor por meio da otimização e eficácia de seus processos.

Os conhecimentos técnicos são caracterizados por meio das seguintes atividades:

  • Impostos: incentivos fiscais, riscos fiscais e conformidade regulatória;
  • Contabilidade técnica: pronunciamentos contábeis, normas internacionais, reconhecimento de receita, impairment e fair value;
  • Tesouraria: financiamento externo, estrutura ótima de capital e gestão de risco de tesouraria;
  • Relacionamento externo: relação com investidor, instituições financeiras, auditoria externa, consultorias e advogados; e
  • Riscos e compliance: auditoria interna, conformidade regulatória, plano de mitigação, conselho fiscal e comitê de auditoria.

Para o futuro, a área demanda processos gerenciados e executados com conhecimento técnico especializado. Além de especialistas amplamente organizados em centros de excelência e políticas corporativas com uma direção clara.

Finanças e gestão

Finanças aliada à gestão estratégica contribuem para o atingimento de metas corporativas ao longo de toda a organização. O que agregará valor por meio de sua parceria e proximidade com o negócio.

O desenvolvimento de relatórios gerenciais, análise de desempenho, aliado ao planejamento, como o orçamentário, ajudam no suporte da estratégia corporativa e na execução dessa estratégia. Por meio do crescimento da receita, melhoria da margem operacional e eficiência na utilização dos ativos.

Destaca-se, também, a utilização do Valuation como ferramenta de gestão por meio dos processos de Fusões & Aquisições (M&A – Mergers and Acquisitions), investimento em capital e processos de abertura de capital (IPO).

A longo prazo, o modelo de finanças e gestão exigirá modelos de planejamento com integração entre risco e inteligência. Além do conceito de business partner amplamente estabelecido, valor gerado por meio de decisões estratégicas e ampliações do uso e entendimento de um processo completo de Valuation (desde a Due Diligence até um Business Planplano de negócios).

Governança Corporativa (GC)

A Governança Corporativa possui como premissa básica a implementação de controles (definição e implementação de controles internos e programas de prevenção e detecção de fraudes) e políticas corporativas (código de ética e conduta, políticas e procedimentos corporativos e modelos de tomada de decisão e delegação de autoridade). Esses controles e políticas corporativas devem ser bem definidos e fornecerem um ambiente padronizado e controlado para a execução dos processos financeiros da empresa.

Assim, a Governança Corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas. Tudo isso envolvendo os relacionamentos entre proprietários, conselho de administração, diretoria e órgãos de controle.

Futuramente, a GC deve continuar prezando pela tolerância zero a não conformidade. Além de possuir um monitoramento constante e automatizado e a essencialidade de antecipação às fraudes.

Tecnologia

Manter-se atualizado com a tecnologia é a chave para fazer progressos na prestação de melhores análises de dados. Apesar de as organizações fazerem um bom trabalho nesta análise, boa parte ainda trabalha com sistemas baseados em planilhas. Isso demanda demasiado tempo da equipe e prejudica o andamento de outros projetos.

Estar atualizado e praticar internamente nas empresas as novas técnicas são atividades que muitos profissionais de finanças não fazem com disciplina. E quando fazem, já estão atrasados, perdendo as oportunidades de decisões produtivas.

A tecnologia se dará no futuro principalmente pela utilização de análises preditivas e plataformas colaborativas. Elas ajudarão na integração das informações ao longo de toda organização, na visualização de desempenho em tempo real e até mesmo na automação e robótica de tarefas de apoio.

Pessoas

A escassez de competências continua sendo uma preocupação para a área de finanças, pois muitas empresas enfrentam desafios para encontrar profissionais qualificados. Dessa forma, a elaboração de um bom plano sucessório é importante para gestores com visão de futuro. Isso tem a ver com a compreensão de quais são as competências demandadas e onde estão as lacunas que necessitam ser preenchidas. Não é possível prever tudo o que pode acontecer, mas deve-se estar o mais preparado possível.

Ter uma área bem preparada não se trata apenas de contratar novos profissionais, mas também de desenvolver talentos internos. Assim, é papel importante de cada líder identificar, atrair, estimular e treinar novos gestores. Essa tarefa é crucial porque os resultados vêm de pessoas e, mais do que nunca, as pessoas são a chave para o sucesso. Uma equipe forte pode assegurar a continuidade da organização.

Em relação às habilidades técnicas, acredita-se que os profissionais de finanças precisam ampliar seus conhecimentos. Principalmente sobre os softwares financeiros, sobre os padrões de relatórios de finanças e contabilidade e sobre compliance/ gerenciamento de risco.

Não são apenas as habilidades técnicas que os profissionais de finanças precisam para se destacar, as habilidades comportamentais também são fundamentais nesse processo de adaptação às novas demandas desse profissional. Liderança, comunicação e habilidades gerenciais são essenciais para o profissional colaborar efetivamente com o negócio.

Projeção para o futuro

Os profissionais de finanças estão trabalhando em um cenário global incerto. Logo, precisam ter sucesso mesmo com fatores externos que não podem controlar, como flutuações no câmbio, crises políticas e instabilidade econômica.

Portanto, todos os pontos apresentados ilustram como a área de finanças pode se tornar mais eficaz na execução e na condução da estratégia, mediando os stakeholders externos e tornando suas organizações mais resistentes, simples e ágeis rumo ao futuro.

Yuri Areco
Divisão de Gestão e Finanças
BLB Brasil Auditores e Consultores

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *