Conheça os 3 principais Métodos de Custeio: ABC, absorção e custeio variável

Conheça os 3 principais Métodos de Custeio: ABC, absorção e custeio variável

6 minutos de leitura

O lucro é, obviamente, o grande objetivo de qualquer empresa. Seja ela pequena, média, grande, multinacional ou nacional é pelo lucro que batalham dia a dia. Mas esse tão sonhado lucro passa, obrigatoriamente, pelo custo, um processo tão importante quanto necessário e complexo.

A questão é como calcular e controlar corretamente essa arte que é tornar o negócio rentável e lucrativo. Dominar os custos e aprender a calculá-los de forma correta e eficiente fará a total diferença nos resultados. É preciso ter precisão de quanto foi gasto em cada insumo, em cada um dos processos, principalmente se estamos falando de indústrias.

A excelente notícia é que existem alguns métodos que auxiliam no cálculo do quanto é gasto para fazer um determinado produto e, assim, ter uma real visão, detalhada, sobre a lucratividade do negócio a partir da precificação de cada produto oferecido ao mercado.

Os mais usados são o método de custeio variável, o método de custeio por absorção e o método ABC (do inglês Activity Based Costing), baseado em atividades. Cada um tem a sua particularidade, por isso, abaixo, vamos contextualizá-los.

Método de custeio variável (ou de custeio direto)

O método de custeio variável é também chamado de método de custeio direto. Ele é um dos mais conhecidos e utilizados entre as empresas, principalmente entre as da indústria e do comércio. Simples e objetiva, essa metodologia considera como custos de fabricação os custos variáveis, diretos e indiretos.

Os custos fixos, pelo fato de existirem mesmo que não haja, de fato, produção (como aluguel e salários dos funcionários, por exemplo), não são considerados como custo de produção, mas sim como despesas nesse método.

O sistema de custeio variável se baseia na separação dos custos em variáveis e fixos, ou seja, em custos que se alteram proporcionalmente ao volume da produção/venda e custos que se sustentam constantes perante volumes de produção/venda oscilatórias dentro de certos alcances.

Esse sistema produz informações muito importantes, como a margem de contribuição, e proporciona os subsídios necessários para tomada de decisão nas empresas.

Método de custeio por absorção (ou ainda custeio integral ou custo integral)

O custeio por absorção é assim chamado por concentrar os custos fixos no custo final de cada produto comercializado. Isso quer dizer que o custo por absorção tem como premissa subtrair do custo dos produtos vendidos (CPV) todos os custos da área de fabricação, sejam eles custos definidos como diretos ou indiretos, fixos ou variáveis, de estrutura ou operacionais.

Esse método garante que cada produto absorva uma parcela dos custos diretos e indiretos relacionados à fabricação. O fator fundamental para a utilização do método de custeio por absorção está na distinção real entre custos e despesas.

Somente os desembolsos referentes aos produtos vendidos, seja diretamente ou indiretamente, devem ser alocados no custo dos produtos vendidos. Todas as demais despesas, sejam administrativas, despesas financeiras, investimentos ou qualquer que seja, devem ficar de fora do acordo.

Custeio ABC (Baseado em Atividades)

O custeio ABC ou baseado em atividades parte do princípio de que os preços de uma empresa e de determinado produto são motivados pelas ações desempenhadas nela e que essas ações são consumidas por produtos e serviços gerados nessa mesma empresa.

Esse método permite medir com mais exatidão e precisão as despesas e os custos que não estão diretamente ligados à produção em si, os indiretos, por meio da análise das atividades, dos seus causadores de custos e dos utilizadores.

Leia também -  Governo pretende rever regras para pedidos de recuperação judicial

Na prática, o método ABC rastreia os custos de cada atividade realizada e cuida de verificar como essas atividades estão relacionadas para a geração de receitas e o consumo de recursos. Esse método estuda cada fase do processo de criação de determinado produto, e tem como principal objetivo amenizar as distorções provocadas pelo uso do rateio discricionário dos custos indiretos, sendo uma tentativa de encontrar e identificar os verdadeiros causadores de custos.

O método ABC é considerado por muitos uma evolução de todos os outros sistemas de medição de custos, e ele surgiu exatamente para suprir as necessidades das empresas por informações mais detalhadas quando duas variáveis básicas da produção começaram a mudar: o acréscimo da participação dos custos indiretos na composição dos custos totais e o aumento da diversificação dos produtos e ações.

Dessa forma, calcular os custos da maneira mais tradicional, como vimos acima, já não satisfazia, e questões ligadas à gestão estratégica do negócio, que buscava a melhoria contínua dos processos, da qualidade e do desempenho da empresa como um todo, não encontravam respostas.

Isso não quer dizer, porém, que os outros métodos são tenham suas aplicações. Tanto é verdade que os cálculos feitos pelo método de custeio ABC não são aceitos pela legislação societária e fiscal. Portanto, ele deve ser usado apenas para a gestão e o controle interno da empresa, não como uma forma oficial de cálculo. Ele vai ajudar, obviamente, mas não substituíra outras metodologias já existentes.

Agora que você já entendeu o que cada método significa na teoria, pode estar se perguntando quando optar por um outro método. Por que escolher a metodologia variável, ABC ou o método por absorção?

A resposta é que não há apenas uma alternativa correta, e cada negócio vai se adaptar a um método diferente. Por isso é tão importante conhecer a fundo cada um dos métodos para escolher o que melhor se adapta a determinada empresa ou situação.

Um fator que é importante e deve ser destacado aqui é que o valor final do custo levantado por um método pode ser diferente quando feito em outro, e essa é mais uma razão para entender a fundo os números utilizados em cada método.

Normalmente esses cálculos não são feitos manualmente, mas sim de modo automático em planilhas e aplicativos. Entretanto, é indispensável que os gestores e os empresários entendam de onde vem cada número e cada índice envolvido no processo produtivo para saberem o que pode ser melhorado ou otimizado.

Se sua empresa necessita de auxílio para avaliar seus processos, custos, preços de venda e demais questões que tangem sua gestão, entre em contato conosco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *